Educamos nossos filhos para o vestibular ou para a vida?

“É preciso deixar a criança, o maior tempo possível, na vivência suave, sonhadora, baseada na imagem, vida, ou seja, o maior tempo possível na imaginação, numa consciência não intelectualizada. Quando permitimos o fortalecimento do organismo infantil mediante o ambiente não intelectualizado, a criança consegue, num momento posterior, assimilar de maneira correta, a cultura intelectualista”, recomenda Steiner.

Anúncios

A metodologia Waldorf segue os preceitos de que o ser humano se desenvolve em setênios. Segundo essa lógica, a criança só começa a ser alfabetizada a partir dos sete anos, ou seja, quando começa o segundo setênio.  Essa aparente demora no processo educacional levanta uma série de questionamentos e não raro ouvimos pessoas dizerem que um determinado aluno “já” tem oito anos e ainda não sabe escrever ou que a escola Waldorf só é boa para a educação infantil, pois não prepara o aluno para a vida acadêmica.

A explicação para esse fato veio do próprio Rudolf Steiner, que fala que a pedagogia Waldorf leva em consideração toda a vida da criança ao ensinar e não somente aquele instante em que a alfabetização acontece. Segundo Steiner, quando a criança começa a aprender a escrever, ela primeiramente desenvolve as formas das letras por meio de alguma atividade artística que traga contentamento interior. A euritmia é uma das maneiras das crianças realizarem esse trabalho.

Steiner afirma que “A razão para nossas crianças aprenderem a escrever e ler um pouco mais tarde é que se nós levarmos em consideração a natureza da criança, ler deve vir depois de escrever. Uma coisa essencial no nosso método educacional é que nós mantemos a vida inteira da criança em mente. Nós sabemos que se apresentarmos à criança alguma coisa quando ela tenha sete ou oito anos, isso deve ser feito de forma que essa coisa cresça com criança, de modo que permaneça com a pessoa em questão quando ela tenha trinta ou quarenta anos, e até mesmo para o resto de sua vida.”

Segundo ele é importante que a criança viva de maneira intensa a sua infância, sem racionalizar o conhecimento. “É preciso deixar a criança, o maior tempo possível, na vivência suave, sonhadora, baseada na imagem, vida, ou seja, o maior tempo possível na imaginação, numa consciência não intelectualizada. Quando permitimos o fortalecimento do organismo infantil mediante o ambiente não intelectualizado, a criança consegue, num momento posterior, assimilar de maneira correta, a cultura intelectualista”, recomenda Steiner.

Antes de colocar minha filha em uma escola Waldorf, também tinha medo de colocá-la em uma instituição que não a preparasse para a vida, que a deixasse em desvantagem quando o momento profissional se aproximasse (hoje já penso bem diferente daquela época e já não tenho a cabeça voltada para o vestibular ou o emprego).

Para sanar essas dúvidas, nada melhor do que conversar com uma ex-aluna Waldorf. Por sorte eu conhecia uma profissional super competente com a qual eu tinha trabalhado e que tinha estudado quase todo o período escolar na Viver Escola Waldorf de Bauru. Ela se graduou em um dos cursos mais cobiçados na USP e seus irmãos, que também estudaram na mesma escola, se graduaram na Unesp (em exatas e humanas respectivamente). Tivemos um bate-papo muito proveitoso. Na época, sua mãe, que era ex-professora Waldorf me deu vários insights sobre o funcionamento da escola e o desenvolvimento do aluno. Saí de lá mais certa do que nunca de ter escolhido a melhor metodologia para a vida da pequena.

Abaixo eu coloco um vídeo que mostra ex-alunos Waldorf e pais de alunos Waldorf que são expoentes nas profissões em que atuam. Vale a pena conferir.

Autor: Raquel Vitorino

Sou jornalista, consultora em comunicação e mãe apaixonada pela pedagogia Waldorf. Quero compartilhar nesse espaço minhas descobertas e aprendizados sobre criar um filho seguindo os preceitos de Rudolf Steiner.

2 comentários em “Educamos nossos filhos para o vestibular ou para a vida?”

  1. Seus textos são leves e de conteúdo fundamentado e esclarecedor!
    Obrigada por dividir conosco esses conhecimentos. Fico feliz e mais certa da escolha que fizemos para a educação da nossa pequena!
    É difícil escolher contra o que a maioria está escolhendo. Há muita pressão e só podemos resistir a ela sabendo a força e a verdade de nossas próprias escolhas.
    Um exemplo “bobo”, mas cheio de relevância foi escolher, conforme você comentou e alertou, não levar a Lígia em uma exposição que não era adequada para a idade.
    O racionalizar precoce é um grande mal para o desenvolvimento infantil.
    Gratidão pela troca, as outras mães que iriam conosco compreenderam o argumento e agora é mais um alerta a cerca do que propomos aos nossos filhos.

    Até mais!

    Curtir

    1. Cecília, estamos escolhendo um caminho que com certeza terá muito pressão para fazermos coisas ao contrário do que ele indica. E assim como você, estou apenas começando a aprender sobre o assunto. O bom de podermos trocar essas experiências é realmente uma ajudar a outra. Eu inicialmente nem tinha me tocado sobre o aspecto da racionalização. Que bom que essa informação também foi útil pra você. Que o caminho do amor e do estudo continue nos guiando.
      Beijo grande

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s