O que Steiner teria falado sobre a televisão?

*Por Kristie Burns

Crianças assistindo TV
A luz emitida pelas telas de televisão suprime os níveis de melatonina no sangue, o que perturba os padrões de sono de crianças e adolescentes, bem como a idade em que eles entram na puberdade

Então, o que Steiner tem a dizer sobre a televisão? Nada. Não havia televisões no seu tempo. Mas, ele disse o suficiente sobre educação na primeira infância para podermos supor quais teriam sido suas opiniões sobre ela. Essas razões se centram na visão de Steiner a respeito do corpo astral, da imaginação e do modo como a criança aprende.

Uma pedra angular nos teoremas educacionais de Steiner foi o fato de que as crianças passam por três fases de suas vidas. Primeiro, de 0 a 7 anos, o espírito que habita o corpo da criança ainda está se acostumando com o ambiente. Isso explica muitos padrões no currículo Waldorf, como o padrão de ensino do alfabeto aos 7 ou 8 anos de idade. Durante a segunda etapa, dos 7 aos 14 anos, a criança é movida pela imaginação e fantasia, e durante a terceira etapa, à partir dos 14 anos, diz-se que o corpo astral é conectado ao corpo físico, dando início a puberdade.

Os educadores Waldorf viram uma ligação direta entre este corpo astral e ao ato de assistir televisão. As cenas, a falta de imaginação envolvida e os tópicos abordados na maioria dos canais obviamente acelerariam o estágio astral do corpo em uma idade precoce. Esse foi um dos motivos pelos quais a televisão foi banida das escolas Waldorf.

Pesquisadores modernos, no entanto, só recentemente fizeram essa conexão quando anunciaram recentemente que “assistir televisão pode acelerar o início da puberdade” (Dr. Laura Markham, 2006). Em seu artigo, baseado em 35 pesquisas diferentes, ela afirma que essa conexão tem muito a ver com o hormônio melatonina. A melatonina é um hormônio produzido pela glândula pineal no cérebro, que desempenha um papel fundamental na regulação do relógio interno do corpo. A luz emitida pelas telas de televisão suprime os níveis de melatonina no sangue, o que perturba os padrões de sono de crianças e adolescentes, bem como a idade em que eles entram na puberdade. Também é interessante notar que os problemas da puberdade precoce têm desconcertado pesquisadores desde 1950. Essa foi a mesma data em que os televisores se tornaram amplamente difundidos nos Estados Unidos.

TV e Criança
Os problemas da puberdade precoce têm desconcertado pesquisadores desde 1950. Essa foi a mesma data em que os televisores se tornaram amplamente difundidos nos Estados Unidos

Este não é o principal motivo alegado quando as Escolas Waldorf afirmam em seus sites que as crianças não devem assistir televisão. Quando revisei 40 sites de escolas Waldorf, descobri que 36 deles declararam que o principal motivo para desencorajar a televisão era que isso dificultava a imaginação da criança.

E este é realmente um dos elementos mais importantes na educação infantil que o próprio Steiner promoveu. Rudolf Steiner, em seu ensaio de 1919, “Uma introdução à educação Waldorf”, afirma: “O que é de máxima importância para o cultivo da vida de sentimento da criança é que ela desenvolva uma relação com o mundo da mesma maneira que fazemos quando estamos inclinados à fantasia.” A fantasia, na educação Waldorf, não é a fantasia dos filmes da Disney ou apenas a fantasia dos contos de fadas. É um processo holístico de permitir que a criança expanda sua imaginação em diferentes campos. Os contos de fadas são um aspecto desse processo.

Estudos recentes mostram que a televisão impede esse processo em crianças pequenas. Em um estudo conduzido pelo Dr. Aric Sigman, membro associado da British Psychological Society (e concluído em 2007), ele demonstra que a televisão afeta o cérebro de tantas maneiras que enfraqueceria a imaginação das crianças. O primeiro efeito que se traduz em uma imaginação mais fraca é a ocorrência de “cortes rápidos” na televisão, que fracionam a atenção. Ao mesmo tempo, estudos mostram que o cérebro é então programado para se recompensar com a “dopamina” (hormônio da felicidade) por ser capaz de lidar com essa atenção fraturada. Basicamente, as pessoas se tornam viciadas em funcionar com uma atenção fraturada. Multitarefas extremas e crianças sendo matriculadas em dezenas de “atividades extraescolares” também são resultado desse vício. A imaginação é naturalmente perdida quando nossa mente não consegue se concentrar. Você já tentou escrever um artigo sendo interrompido a cada cinco minutos?

Em relação à educação, os exames cerebrais realizados pelo neurocientista mostraram que a televisão e muitos jogos interativos não estimulam áreas intelectuais do cérebro.

Os professores das escolas Waldorf também desencorajam assistir televisão por conta dos efeitos que ela tem sobre o comportamento da criança na escola. Mas isso qualquer professor pode te dizer! Não apenas um professor Waldorf. E já ouvimos isso várias vezes que nos cansamos desse motivo. Mas como podemos trazer a pesquisa de Steiner e entendê-la em um nível mais profundo?

Steiner disse, “Do nascimento até por volta do sexto ou sétimo ano, o ser humano naturalmente se entrega a tudo que o rodeia imediatamente no ambiente, e assim, por meio do instinto imitativo, dá forma aos seus próprios poderes nascentes.” Se eu não soubesse que Steiner não estava vivo durante o tempo da televisão, eu esperaria que suas próximas palavras dissessem algo sobre os efeitos da televisão. Mas suas próximas palavras são ainda mais poderosas. Ele disse: “A partir deste período, a alma da criança torna-se aberta para receber conscientemente o que o educador e professor oferecer, que afeta a criança como resultado de sua autoridade natural.”

Então, o que aconteceria se aquele “professor” fosse a televisão? O que Steiner está dizendo em sua declaração é que a criança está em um estágio em que ela está imitando tudo ao seu redor. Tudo se torna seu professor. Qualquer pai que tenha ficado envergonhado pelas ações de uma criança que refletiram seus próprios atos sabe que isso é verdade. O livro de Rahima Baldwin Dancy, “Você é o primeiro professor de seu filho”, explora essa questão com muita profundidade. Então isso se torna óbvio a um professor Waldof que se você permitir que a TV seja um professor, a criança será exposta a muitas coisas que você não gostaria.

No site de uma escola Waldorf na Irlanda afirma: “Televisão, assim como filmes, vídeos, DVDs, música gravada, computadores e jogos eletrônicos têm um efeito muito poderoso sobre as crianças. Pode levar vários dias para que os efeitos de um único vídeo desapareçam. Se as crianças estão assistindo todos os dias, os efeitos nunca se desgastam. Muitas crianças agora falam a maior parte do tempo em vozes de “desenho animado”, fazem “efeitos sonoros” para acompanhar seus movimentos bruscos (chutes, socos) e repetem compulsivamente as falas de vídeos que viram repetidas vezes. Isso agora é visto como um comportamento infantil normal, mas realmente vem dessas mídias, não das próprias crianças. “

Outra preocupação com a televisão é que ela atrapalhará a capacidade da criança de refletir e levar adiante as lições que foram ensinadas durante o dia. Steiner acreditava que “O que se aprende mais devagar em qualquer idade é absorvido mais seguramente e saudável pelo organismo, do que quando é despejado sobre ele” (Spiritual Ground for Education, de Rudolf Steiner). Esta é uma das razões pelas quais quando uma criança recebe uma lição de uma maneira Waldorf, é permitido que ela reflita sobre ela e, muitas vezes, dê a mesma “lição” duas vezes. As lições muitas vezes dependem de a criança absorver o conteúdo dado pela primeira vez, dormir e refletir sobre ela e depois voltar no dia seguinte para relembrar e trabalhar com ela novamente. Durante este tempo de sono e reflexão, a lição terá sido digerida, juntamente com imagens mentais que uma criança fez para si e é isso que faz com que a lição realmente “assente” no ser de uma criança.

Se as crianças estiverem assistindo televisão ou usando qualquer outro dispositivo eletrônico durante esse processo, esses dispositivos irão “suplantar” a lição. Então, em vez de refletir e criar imagens da lição, a cabeça da criança será preenchida com imagens da televisão ou da mídia. Mais uma vez, sua própria imaginação é negada a ela. Essa visão sobre o dano da televisão conecta-se com os estudos modernos feitos sobre a televisão e seus efeitos sobre a concentração que discuti anteriormente.

Estudos recentes também mostram que a TV pode estar ligada à obesidade, autismo e até mesmo diabetes. Steiner deu inúmeras palestras sobre o tema da nutrição e educação e acreditava que a saúde do corpo era enormemente afetada pela forma como se aprende, e a maneira de uma pessoa aprender também era grandemente afetada pela sua saúde. Sabendo, o que sabemos hoje sobre os efeitos da televisão sobre a saúde no corpo, podemos supor que Steiner não teria aprovado isso como um meio saudável para a aprendizagem holística.

Anúncios

2 comentários em “O que Steiner teria falado sobre a televisão?

Adicione o seu

  1. Reflexão … Minha esposa e eu (mais ela do que eu), acertamos ao optar pelos preceitos de Rudolf Steiner (pedagogia Waldorf), pois, de fato, não existe metodologia de vida melhor para se aplicar ao ser humano, ainda mais quando em formação.

    Estou muito feliz por termos acertado na *mosca!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: